Capital manterá restrições por pelo menos 15 dias

O que você precisa saber hoje

Porto Alegre não estava pronta para reabrir — Sem atender os critérios da OMS para suspender a quarentena durante provocada pela pandemia, Porto Alegre não deveria ter flexibilizado as restrições das atividades comerciais e de circulação de pessoas. A conclusão foi apontada por um estudo da Universidade de Oxford em parceria com instituições brasileiras. Os critérios da organização internacional eram conhecidos desde abril, entre eles estão a alta capacidade de testagem e rastreamento do vírus e o engajamento da população, fatores não contemplados por Porto Alegre e outras sete capitais de acordo com os pesquisadores. A capital gaúcha vinha retomando atividades desde meados de maio até o decreto de ontem, que voltou a impor uma série de proibições. Para Paulo Petry, professor da UFRGS, não há dúvida de que “quando relaxamos, os casos aumentaram”. Em entrevista ao portal GaúchaZH, ele alerta para o perigo da pressão política e econômica para a liberação de atividades e o risco de o sistema não aguentar “se caminharmos na direção do afrouxamento”. Falando nisso, a coordenadora do Comitê de Dados sobre a pandemia de Covid-19, Leany Lemos, negou, em entrevista à Rádio Guaíba, que o abrandamento de regras da bandeira vermelha tenha sido resultado de pressão dos prefeitos.

Marchezan descarta hospital de campanha — O governador Eduardo Leite (PSDB) também demonstra preocupação com o avanço da contaminação pelo novo coronavírus. “Se a velocidade do vírus se mantiver, não tem aumento de leitos possível”, afirmou sobre a Região Metropolitana, destacando a demanda também por mais profissionais. Aliás, a reitora da UFCSPA, Lúcia Pellanda, afirmou que as jornadas estressantes têm baixado a imunidade deles, sendo um dos fatores pela alta de casos de Covid-19 em hospitais. Já o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) garantiu que Porto Alegre tem “gestão e capacidade” para não necessitar de hospitais de campanha, que chamou de “puxadinhos”. Afirmou ainda que, se necessário, “todas as estruturas hospitalares da cidade, públicas e privadas, terão que ter espaços específicos para Covid-19”. De acordo com o  plano de contingência hospitalar do Estado, existe “a possibilidade de construção de hospitais de campanha apenas em situação de possibilidade iminente de colapso do sistema de saúde”. Pela 13ª vez em 16 dias, Porto Alegre renovou seu recorde de pacientes com Covid-19 internados em UTI: 111 até esta manhã. Levantamento de GaúchaZH aponta que, se novos leitos não tivessem sido criados no RS, o índice de ocupação no Estado seria de 91,8% em vez dos atuais 69,2% registrados ontem à noite.

Restrições só devem ser revistas em julho; empresários reclamam — Com o sistema de saúde pressionado, Porto Alegre só deverá rever medidas dos recentes decretos restritivos dentro de 15 ou 20 dias, de acordo com o secretário de Enfrentamento ao Coronavírus, Bruno Miragem. Entre sábado e terça, a Prefeitura emitiu dois decretos, ampliando as restrições da bandeira vermelha do Governo do Estado – neste link, GaúchaZH fez uma série de perguntas e respostas sobre o que mudou. “Temos que rapidamente agir para aperfeiçoar as medidas populacionais e conseguirmos, nas próximas semanas, voltar a achatar a curva”, justificou Miragem, reconhecendo os sacrifícios à economia do município. Nem todo mundo ficou contente. Grandes academias, que agora só poderão atender um aluno por vez, veem o seu atendimento inviabilizado pelas normas. Donos de alguns bares e restaurantes, que já amargavam a queda no movimento e a partir de amanhã não poderão atender presencialmente, vislumbram mais prejuízos pela frente. Alguns podem nem voltar a abrir

Lya Luft arrependida — “Queria outro Brasil e deu no que deu”. Foi neste tom que Lya Luft, escritora que cumpre a quarentena em sua casa em Gramado, declarou seu arrependimento por ter votado em Bolsonaro nas eleições de 2018. Em entrevista concedida à jornalista Paula Sperb, publicada na Folha de S.Paulo sobre seu novo livro, “As Coisas Humanas”, Lya lamentou a conjuntura nacional, e disse que as “distrações dos líderes na sua própria cobiça, a distração do sofrimento das pessoas, estão me deixando muito muito entristecida, é preciso cuidar das pessoas”. O cuidado, aliás, é tema recorrente nas crônicas reunidas da recente publicação, que trata do cotidiano da escritora, da morte do filho, em 2017, das conversas em grupos no WhatsApp e dos desafetos no Facebook por causa da política. Isolada, descreve assim a pandemia: “É como se o globo terrestre estivesse coberto por uma nuvem escura, meio pegajosa, se arrastando por cima de tudo. É quase incompreensível que Ásia, Europa e Brasil estejam passando pela mesma coisa [ao mesmo tempo]. Parece um grande animal, com tudo parado”.

PF apreende obras de arte no Centro da Capital — A Polícia Federal esteve nas ruas de Porto Alegre e de Xangri-Lá na manhã de ontem. Os agentes deflagraram a operação Matinta Perera, que investiga se houve fraude na aquisição de respiradores pulmonares no Pará. Foram feitas buscas em endereços ligados ao secretário de Saúde do estado nortista, o gaúchos Alberto Beltrame. Num dos apartamentos, na esquina da Duque de Caxias com a Marechal Floriano, no Centro da Capital, foram apreendidas mais de 300 obras de arte – nem todas originais, mas parte delas foi avaliada em cerca de 20 milhões de reais. No litoral, a PF encontrou o equivalente a 70 mil reais em notas de reais, euros e dólares. Beltrame alegou que as obras foram adquiridas antes de assumir o cargo público no Pará e são “fruto de 35 anos de trabalho” e que foram declaradas em seu imposto de renda. Ele citou também que o dinheiro usado na aquisição dos respiradores foi devolvido ao estado do Pará. A Secretaria de Cultura do RS enviou ofício à PF solicitando que as obras fossem transferidas para o Margs, que “oferece segurança e condições adequadas para a conservação das obras”. 

Outros links:

  • O Senado aprovou em dois turnos, ambos por 67 votos a oito, o adiamento das eleições municipais para 15 e 29 de novembro. O texto ainda precisa ser aprovado pela Câmara dos Deputados. Prefeitos do RS preferem estender os mandatos para 2021 (🔒).
  • A Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa aprovou o projeto de lei que regulamenta o ensino domiciliar no RS. O projeto segue para a Comissão de Educação da casa.
  • O governo federal reconheceu, na segunda, a situação de emergência em Novo Hamburgo por conta da estiagem. Segundo a Defesa Civil do município, cerca de 670 famílias foram prejudicadas.
  • O RS passou ontem dos 20 mil diagnósticos de Covid-19. E praticamente um em cada quatro desses casos são oriundos de surtos em frigoríficos, conforme o Ministério Público do Trabalho. 
  • Amanhã o projeto social Miséria que Habita estará na Vila Casarão, na Grande Cruzeiro, zona sul da Capital, onde aplicará testes para coronavírus de graça, além de entregar cestas básicas, máscaras e cobertores.
  • São Leopoldo e Sapucaia do Sul vão aplicar multas para quem promover aglomerações.
  • jornalista Denian Couto deixou a secretaria de Comunicação de Porto Alegre menos de um mês depois de tomar posse. Couto aceitou o convite do Podemos para concorrer a vereador em Curitiba.
  • Artistas e deputados questionaram as linhas de crédito do Banrisul oferecido para a classe artística. E pedem crédito específico a trabalhadores da cultura.


Assine o Matinal Jornalismo e receba mais cedo esta newsletter, além de conteúdos exclusivos da revista digital Parêntese, a série Prefeito da Semana e matérias de Roger Lerina.


Microscópio: Ajuda que vem da genética

Já se sabe que diabetes e pressão alta estão associadas a maiores riscos na infecção pelo novo coronavírus, assim como idosos e homens estão mais suscetíveis a quadros graves de Covid-19. Mais recentemente, passaram a circular no noticiário evidências científicas sobre a relação do tipo sanguíneo com a doença. Mas há muito para se descobrir sobre o SARS-CoV-2, cujos efeitos ainda são bastante imprevisíveis. O que, afinal, faz com que uma pessoa desenvolva quadro grave ou permaneça com poucos ou nenhum sintoma? Um dos caminhos mais promissores para se chegar às respostas que os cientistas procuram é a genética. Rastrear as informações genéticas de um paciente ajuda a compreender com mais precisão como a doença se manifesta nele. Tarefa complexa, como nos explica Felipe Schroeder Franke na edição de hoje. 

Leia o artigo completo.


Cultura

Instituto Ling homenageia o poeta Pablo Neruda, às 16h, com uma aula online gratuita ministrada pelo professor de literatura Sergius Gonzaga.


Esta seção contém ainda mais dicas culturais. Para recebê-la na íntegra, assine o Matinal Jornalismo.


Você viu?

Produtores da Fronteira Oeste monitoram a chegada de uma nuvem de gafanhotos prevista para entrar na região nos próximos dias. Os insetos foram do Paraguai, onde destruíram lavouras de milho, à Argentina. Em aproximadamente um quilômetro quadrado de nuvem podem ter até 40 milhões de gafanhotos, que consomem em um dia pastagens equivalentes ao que 2 mil vacas ou 350 mil pessoas comem, segundo o engenheiro agrônomo argentino Héctor Medina. De acordo com a Somar Meteorologia, a possibilidade de grandes estragos é baixa devido à mudança de tempo que deve ocorrer nesta semana. Isso porque os insetos preferem clima seco e quente, e com a previsão de chuva entre esta quarta e quinta, eles não devem chegar em grande número ao Estado.

Este texto faz parte da edição 14 da revista Parêntese, publicada em 29 de fevereiro de 2020.

A revista digital Parêntese é enviada todos os sábados aos assinantes premium do Matinal Jornalismo. 

Para receber a próxima edição, assine o Matinal. Assim você apoia o jornalismo de Porto Alegre e receba todos os nossos produtos.

Receba as newsletters do Matinal! De segunda a sexta, trazemos as principais notícias de Porto Alegre e RS. Na quinta, enviamos uma agenda cultural completa por Roger Lerina. No sábado sai a Parêntese, com reportagens, entrevistas e análises exclusivas.