Medidas buscam abrir mercado de aviação no RS

O governador Eduardo Leite (PSDB) anunciou ontem medidas para tentar fazer decolar (o trocadilho é proposital) o mercado de aviação regional do Rio Grande do Sul. Dois decretos promovem mudanças no Programa Estadual de Desenvolvimento da Aviação Regional (PDAR-RS) e reduzem impostos para tornar o Estado mais atrativo para companhias aéreas.

Um dos textos autoriza as empresas a terceirizar suas atividades, desde que mantenham voos regulares em pelo menos quatro aeroportos gaúchos. A medida vai permitir que a Gol, em convênio com a companhia de táxi aéreo Two Flex, lance rotas com aeronaves pequenas entre Porto Alegre e as cidades de Rio Grande, Bagé, Santana do Livramento, São Borja, Santa Rosa e Passo Fundo. A outra medida reduz em até 2% a base de cálculo para compra de querosene de aviação. 

O PDAR-RS é o braço estadual de um programa nacional, lançado pela presidenta Dilma Rousseff (PT) em 2015, que buscava encurtar distâncias no país mas acabou relegado em função da crise econômica. Mesmo com as dificuldades, foi o programa que permitiu que a Azul operasse em seis aeroportos do Estado, inclusive com um voo entre Caxias do Sul e Campinas. Com as novas medidas, a empresa deve anunciar em breve novas rotas de Porto Alegre para Bagé e Livramento.

O programa de desenvolvimento da aviação nasceu da percepção de que o Brasil vinha passando por um processo de concentração de aeroportos – em 2007, 180 cidades brasileiras eram atendidas por voos domésticos; em 2016, eram apenas 122. Em 41 destas cidades, se observava ainda um outro problema: a falta de concorrência, com uma única companhia prestando serviço por aeroporto. No RS, este cenário agora pode mudar.

Olá, você está lendo a Matinal, uma newsletter de conteúdo criada para informar diariamente os gaúchos de forma rápida e prática. Todas as manhãs, enviamos um e-mail com as informações mais importantes do dia publicadas nos principais jornais e nas redes. Selecionamos os tópicos, explicamos por que aquilo é relevante e sintetizamos tudo em uma única newsletter. Em cinco minutos você fica por dentro do que está acontecendo em Porto Alegre e no RS. E o melhor: de graça!


Você também precisa saber

Prisão precária – Mais de 8 mil pessoas ficaram presas em delegacias ou viaturas ao longo do primeiro semestre, enquanto aguardavam por vaga no sistema prisional gaúcho. A quantidade de detidos expostos a esta situação na Região Metropolitana é superior às populações inteiras de cidades como Maquiné e São Miguel das Missões. Em maio, a Justiça chegou a conceder um habeas corpus preventivo para evitar que a situação se repetisse. A medida judicial, contudo, foi descumprida pelo Estado. 

Hotelaria – Com picos de ocupação nos dias em que as seleções de Uruguai e Argentina passaram por aqui, os hotéis de Porto Alegre estimam em 30% o crescimento no movimento para o mês de junho, em razão da Copa América. O balanço inicial do sindicato da categoria apontou que a Capital ficou sem quartos disponíveis quando as seleções dos países vizinhos jogaram na Arena. O público brasileiro quase chegou lá, mas não lotou as habitações quando a equipe de Tite veio jogar na Arena. 

Praças públicas – A vistoria no início da semana na revitalização do Largo dos Açorianos rendeu uma má notícia. Técnicos da Secretaria Municipal do Meio Ambiente e da Sustentabilidade (Smams) constataram a necessidade de ajustes e correções no espaço antes de entregá-lo de vez à população. A obra, ao menos, já foi concluída, restando apenas os reparos. Depois disso, a prefeitura assinará o Termo de Recebimento Provisório da obra.

Outros links:

  • O governador disse ontem que não vai esperar pela privatização das empresas de energia: quer antecipar a receita com as vendas para colocar em dia a folha de pagamento dos servidores.
  • A Justiça homologou o plano de recuperação judicial da Comil.
  • Porto Alegre já teve 406 casos de dengue confirmados no ano.
  • No Estado já chega a 12 o número de mortos em decorrência de gripe.
  • Três empresas disputam a concessão do Auditório Araújo Vianna.
  • Um apostador de Passo Fundo vai dividir o prêmio máximo da Lotofácil com outras quatro pessoas.
  • Em Caxias do Sul, um shopping criou uma promoção para atrair clientes: aniversariante tem direito a estacionamento grátis.

Esportes

Teve surpresa na semifinal da Copa América em Porto Alegre. Na noite de ontem, na Arena, o Peru aplicou no Chile uma contundente vitória por 3 a 0, acabando com o sonho dos chilenos de conquistar o tricampeonato da competição. Já os peruanos, antigo saco de pancadas do futebol sul-americano, disputarão uma final pela primeira vez em 44 anos. O adversário na decisão, que será no Maracanã, é o Brasil, que aplicou 5 a 0 no Peru na primeira fase da competição.


Agenda

  • Nas telas: chega aos cinemas mais um blockbuster da Marvel, Homem-Aranha: Longe de Casa.
  • E Eleven, Mike, Dustin e companhia estão de volta. Estreia hoje na Netflix a aguardada terceira temporada de Stranger Things.
  • Em Porto Alegre, o sarau da Clara Corleone recebe Nanni Rios e Vitor Necchi no Von Teese.
  • Esta quinta tem a sétima edição do Afro’N’Talks no Vila Flores, com diversas atividades a discutir a invisibilidade negra.
  • Nos palcos, tem Obs.cenas, sobre Hilda Hilst, no Estúdio Stravaganza; e o monólogo Cárcere, de Vinícius Piedade, no Teatro de Arena.
  • Ricardo Vignini e Zé Helder, do Moda de Rock, apresentam versões instrumentais de clássicos de rock para a viola caipira no Ling.
  • Mais agenda? Assine a newsletter do Roger Lerina, enviada todas as quintas com um roteiro dos principais eventos culturais da semana. 

Você viu?

O escritor Eduardo Bueno, o Peninha, lançou um novo vídeo ontem em seu canal no YouTube, o Buenas Ideias, relembrando os 90 anos da construção do primeiro arranha-céu da América Latina. Foi o Edifício Joseph Gire, conhecido popularmente como o edifício A Noite, por ter sido sede do jornal vespertino carioca. Localizado na Praça Mauá, no centro do Rio, o Joseph Gire tem 22 andares e 102 metros de altura. Seu recorde, no entanto, durou pouco: foi superado cinco anos depois pelo Edifício Martinelli, construído em São Paulo.