Os riscos e benefícios do acordo entre Mercosul e UE para o RS

O acordo de livre comércio firmado entre Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) e a União Europeia na última sexta deve impactar setores importantes da economia do Rio Grande do Sul. A parceria histórica prevê que as tarifas de mais de 90% dos produtos comercializados entre os dois blocos seja zerada em até 10 anos – o que, segundo o governo federal, deve trazer um incremento de até 7% do PIB atual. 

No curto prazo, três setores gaúchos devem ser beneficiados com a medida: agropecuário, moveleiro e calçadista. Este último vai entrar já na primeira leva da retirada de alíquotas, que se inicia assim que os parlamentos de todos os países dos dois blocos aprovarem o acordo. As carnes, por sua vez, devem ser favorecidas por meio do estabelecimento de cotas mínimas de compra.

Os vinicultores do Estado, contudo, estão apreensivos. Como o vinho europeu é produzido com subsídios do governo, além de possuir uma carga tributária inferior à brasileira, o setor prevê que a parceria vai trazer uma concorrência desleal. Querem, assim, medidas compensatórias – uma bandeira antiga e que só agora, por conta do acordo, está sendo analisada pelo governo.

Outro ponto que preocupa o agronegócio é uma cláusula no acordo que prevê a imposição de barreiras para a compra de produtos considerados suspeitos de usarem agrotóxicos proibidos, ou de serem produzidos áreas ilegais de desmatamento. O termo, entretanto, não exige uma comprovação do fato para que haja bloqueio. O Itamaraty afirmou que o documento, que ainda não foi divulgado na íntegra, possui um dispositivo que permite a revisão dos termos periodicamente.

Para ler com calma: Se você quiser entender mais detalhes do acordo, dê uma lida neste texto do Nexo Jornal.


Você também precisa saber

Governo Bolsonaro – Reportagem distribuída pela Agência Estado neste final de semana sugere que o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM), pode se tornar o próximo a perder o cargo no governo de Jair Bolsonaro (PSL). Onyx saiu do comando da articulação política, deixou de responder pela Secretaria para Assuntos Jurídicos e tem tido cada vez menos encontros oficiais com parlamentares, demais ministros e o presidente. Uma nota publicada ontem pelo colunista Lauro Jardim, em O Globo, diz que o político gaúcho foi aconselhado pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), a entregar o cargo antes que passe por um processo de “fritura”, semelhante ao ocorrido com os ex-ministros Bebianno (PSL) e Santos Cruz.

Tráfico – Um cidadão da Letônia foi preso por tráfico internacional de drogas no Aeroporto Salgado Filho, na noite de sábado. Ele tentava embarcar com destino final a Paris transportando 2,9 quilos de cocaína quando foi flagrado. Como não há vagas no sistema prisional gaúcho, o letão foi levado à superintendência da Polícia Federal.

Sem festa – Os estabelecimentos Céu Bar + Arte, Cucko, Matita Perê e o Boteco do Caninha – todos na Cidade Baixa – foram fechados temporariamente neste fim de semana, durante operação da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, em conjunto com a Brigada Militar e a Guarda Municipal. Os locais estavam, de acordo com as autoridades, com o Plano de Prevenção Contra Incêndio (PPCI) inadequado.

Outros links:

  • A chuva que caiu ontem obrigou o cancelamento da caminhada da Parada LGBTI. Mas os shows na Orla do reuniram um bom público.
  • O ato em apoio à Lava Jato realizado no Parcão também foi bastante esvaziado por conta da chuva. Em Caxias do Sul, apenas 100 pessoas foram prestar apoio a Moro e ao MPF. Em Santa Maria, os organizadores cancelaram a manifestação, mas ainda assim teve quem compareceu.
  • A Metroplan organiza para 2020 nova licitação pra gestão do transporte público na Região Metropolitana de Porto Alegre
  • A Prefeitura prometeu quitar nas próximas duas semanas dívida de 790 mil reais para finalizar a Trincheira da Ceará. 
  • Diário Gaúcho listou 370 vagas abertas em concursos públicos no Estado.

Esportes

“Chegou ao limite do limite.” A forte cobrança foi feita pelo presidente do Grêmio, Romildo Bolzan Jr., à OAS. O motivo é o gramado da Arena, bastante criticado durante a Copa América. A expectativa do dirigente é que a situação esteja melhor para o retorno do Tricolor ao estádio, em 10 de julho. Enquanto isso, o Inter está prestes a receber cerca de 4 milhões de reais em razão da venda ao futebol chinês do atacante Marcinho, que estava emprestado ao Fortaleza.


Agenda

  • Começa hoje, no Instituto de Artes da UFRGS, a Semana Leo Brower, uma série de concertos que celebra o legado do compositor cubano.
  • Também no Instituto começa a mostra Transeuntes, de Maria Prudencio, com pinturas feitas a partir de fotos da rotina urbana.
  • Roger Scruton fala no Fronteiras, que será no Salão de Atos da UFRGS.
  • Memorial do RS recebe painel sobre a história do movimento LGBTI.
  • Tem laboratório de atuação com o grupo Ói Nóis Aqui Traveiz, também ná CCMQ
  • Programe-se: na sexta, a violinista Izandra Machado, que faz uma vaquinha online para participar de uma bolsa de estudos, toca no Nova Geração. Já no sábado, tem show da Ana Cañas no Agulha.

Você viu?

Faleceu na madrugada de ontem, aos 71 anos, o ambulante Manoel Vilson do Nascimento, o “Manoel da Loteria”. Nascido sem os dois braços, ele vendia bilhetes de loteria, que os clientes retiravam do bolso esquerdo de sua camisa, colocando o pagamento no bolso direito. O repórter Marcello Campos, do jornal O Sul, escreveu seu obituário, destacando Manoel como um exemplo de superação e reinvindicando sua presença na galeria dos personagens marcantes do Centro Histórico de Porto Alegre.